Que o Cordeiro receba a recompensa do seu sofrimento.

5 11 2011

As vezes pensamos que são necessárias atitudes mirabolantes para impactarmos nações.
Leia a hitória desses jovens e reflita sobre suas atitudes, sua vida, se realmente o Cordeiro tem recebido a recompensa pelo Seu sofrimento.

“Os Moravianos foram os primeiros Protestantes a colocarem em prática a idéia de que a evangelização dos perdidos é dever de toda a igreja, e não somente de uma sociedade ou de alguns indivíduos.

Devido os Moravianos terem sido pessoas sofredoras, podiam facilmente se identificar com aqueles que sofriam. Eles iam àqueles que eram rejeitados por outros. Dificilmente qualquer missionário seria mandado para a costa leste de Honduras ou Nicarágua. Essas partes da América Central eram inóspitas. Lá, contudo, estavam os Moravianos. Isso era característico da vocação missionária deles; eles se dirigiam a pessoas receptivas. Devido ao fato de os Moravianos crerem ser o Espírito Santo o “Missionário” primário, aconselhavam seus missionários a “procurarem as primícias. Procurarem aquelas pessoas que o Espírito Santo já havia preparado, e trazer-lhes as boas novas”; eles colocavam o crescimento do reino de Cristo acima de uma expansão denominacional. A obra missionária Moraviana era regada de oração.

Durante esse período dois jovens Moravianos, de 20 anos ouviram sobre uma ilha no Leste da Índia cujo dono era um Britânico agricultor e ateu, este tinha tomado das florestas da África mais de 2000 pessoas e feito delas seus escravos, essas pessoas iriam viver e morrer sem nunca ouvirem falar de Cristo.

Esses jovens fizeram contato com o dono da ilha e perguntaram se poderiam ir para lá como missionários, a resposta do dono foi imediata: “Nenhum pregador e nenhum clérigo chegaria a essa ilha para falar sobre essa coisa sem sentido”. Então eles voltaram a orar e fizeram uma nova proposta: “E se fossemos a sua ilha como seus escravos para sempre?”, o homem disse que aceitaria, mas não pagaria nem mesmo o transporte deles. Então os jovens usaram o valor de sua própria venda pelo custo de sua viagem.

Quando o navio tomou certa distância eles dois se abraçaram e gritaram suas últimas palavras que foram ouvidas: “QUE O CORDEIRO QUE FOI IMOLADO RECEBA A RECOMPENSA DO SEU SOFRIMENTO“.

Fonte: Extraído do site da Igreja Batista Getsemani

Dê-nos graça Senhor, para que possamos viver intensamente no centro da Tua vontade!!!

Anúncios




Pessoas Certas para os Lugares Certos

9 11 2009

Pessoas certas para os lugares certos 1 Cr.15:1-24

Após a vitória do povo de Israel sobre os filisteus, o nome de Davi se espalhou por todas aquelas terras, pois o Senhor o fez temível no meio daqueles povos. Porém Davi ainda continuava firme em seu objetivo de trazer a Arca da Aliança de volta para Jerusalém. Pense: Alguém que presenciou a ira de Deus sobre Uzá, porém viu a mesma mão agir com poder contra os inimigos mortais de seu povo, estaria disposto a perder mais alguém devido a uma atitude displicente? Creio que não. Após preparar um lugar para a arca, Davi concluiu que precisava escolher pessoas certas para os lugares certos. Ele disse que ninguém poderia levar a arca para este lugar que fora preparado a não ser os levitas, porque o Senhor os elegera para fazê-lo e para o servirem para sempre. Agora sim! Homens que o próprio Deus escolhera. Essa é a resposta para muitas indagações de líderes e ministros de louvor, quando se deparam com a questão: – Sou ou não alguém que pode conduzir o louvor e adoração na Casa de Deus? Quando esta questão vier à sua mente, faça como Davi, consulte ao Senhor. A resposta será imediata.

Davi, conforme a vontade do Senhor, colocou homens capacitados para tal tarefa e deu uma ordem primordial e irrevogável: 1Cr 15:12 “Vós sois os cabeças das famílias dos levitas: santificai-vos, vós e vossos irmãos, para que façais subir a arca do Senhor, Deus de Israel, ao lugar que lhe preparei.”

Mediante à ordem dada, os chefes dos levitas constituíram homens apropriados para cada função, sendo que deveriam fazê-lo em alta voz e com alegria. Como exigir que alguém tenha alegria? Fica aqui uma grande e preciosa lição para você que quer se tornar um condutor de adoração: PROCURE SER VERDADEIRAMENTE FELIZ ATÉ AS ÚLTIMAS CONSEQUÊNCIAS.

Não dá para ser um ministro de louvor sem ter alegria. Dizer que o louvor liberta é algo que todo mundo já sabe. Agora, exalar a liberdade de louvar sendo regado da alegria de fazê-lo é que dá o sentido de ser um ministro de louvor.

Sendo assim, o povo se alegra. O povo te segue. O povo canta junto com você. O povo quer estar com você e você, a frente deste povo, pode dançar e se folgar nessa liberdade de louvor sem se importar com críticas, pois você estará sendo conduzido pelo Senhor.
Paz seja contigo!
DEUS É LINDAMENTE FIEL!!!

Humberto Máximo
Líder do Ministério Íntima Comunhão – Itaúna/MG

Ministério Íntima Comunhão - Itaúna/MG“Eu Preciso Frutificar”  –   2010

“E a natureza gloriosa do meu Pai se revela quando vocês dão muitos frutos; nisto mostram que são meus discípulos”. João 15:8

Ministério de Louvor Íntima Comunhão
Convites: (37) 3241-4134  Itaúna – MG

BLOG OFICIAL:
www.intimacomunhao.com.br





A Excelência no Louvor & Adoração

30 10 2009

A Excelência no Louvor e Adoração

Quando ouvimos o termo excelência rapidamente pensamos em superioridade em certo ofício. Com certeza trata-se disso mesmo, mas no louvor e adoração a excelência ultrapassa os limites de superioridade no ofício. Se buscarmos na Bíblia Sagrada, veremos o rei Davi falando sobre a qualidade dos ministros da música – “Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo.” Salmos 33:3 – mas no mesmo versículo vimos também uma ordem para um louvor perfeito, o JÚBILO, que é vital para a verdadeira adoração, ou seja alegria, prazer naquilo que estamos fazendo, corações quebrantados e totalmente rendidos ao Senhor Deus, razão de nosso louvor e adoração.

Para desenvolvermos essa excelência temos que ter em mente alguns passos, e esse é o nosso principal objetivo nesta escola:

  1. CONSCIENTIZAÇÃO do nosso papel, saber quem realmente somos e pra que fomos chamados é outro passo fundamental para alcançarmos excelência no louvor e adoração. Não podemos nos contentar de sermos simplesmente músicos, mas temos que assumir nossa verdadeira posição diante do Senhor e da igreja, nós somos MINISTROS e como tais temos m papel importante na ministração da adoração. Seja liderando, tocando um instrumento, fazendo backing vocal, dançando, operando o som, as luzes, ou até mesmo controlando as transparências com as letras dos cânticos ministrados. Todos temos uma função vital no fluir da adoração ao Senhor, devemos estar com nossos corações quebrantados, voltados para Deus, em união e unidade, buscando um perfeito louvor e o fluir da presença de Deus no meio da congregação. A função da música, assim como em todo ministério eclesiástico é edificar, confortar e exortar, causando um impacto na vida da congregação e daqueles que ainda não se entregaram a Cristo. Vemos no livro de 1 Crônicas algumas funções dos músicos estabelecidas por Davi – “ministrar diante da arca do Senhor, e celebrar, e louvar e exaltar o Senhor, Deus de Israel” (16:4); “profetizarem com harpas, alaúdes e címbalos” (25:1); “exercia o seu ministério debaixo das ordens do rei” (25:2); “profetizava cm harpas, em ações de graças e louvores ao Senhor” (25:3).
  2. SERVIR deve ser nossa principal motivação, tanto à igreja e principalmente ao Senhor. Devemos buscar sim a capacitação técnica, aprendendo, treinando, praticando, para termos mais recursos para servir melhor. Temos que ter, também, como base nossa igreja local, pois é nela que encontramos alimento, proteção e ensinamentos para crescermos. Quando entendemos que somos ministros e colaboramos com nosso pastor local no andamento do culto a Deus, teremos nossas igrejas explodindo numa verdadeira adoração ao Senhor e ao mesmo tempo atrairemos almas para o Reino de Deus, pois o altar estará repleto da verdadeira comunhão entre os ministros e a glória de Deus será manifesta. “Filhos meus, não sejais negligentes, pois o Senhor vos escolheu para estardes diante dele para o servirdes, para serdes seus ministros e queimardes incenso” 2Cr. 29:11 – devemos servir a Deus, dando bom testemunho a outros que precisam ouvir para serem salvos e edificados.
  3. CONHECIMENTO de quem Deus é, a razão do nosso cantar, uma formação teológica, mais um ponto fundamental para alcançarmos a excelência. Esse conhecimento nos levará tanto a uma comunhão maior com o Pai como também nos proverá informações para uma ministração eficaz, assim estaremos aptos a atender o chamado de Davi – “Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome; proclamai a sua salvação, dia após dia. Anunciai entre as nações a sua glória, entre todos os povos as suas maravilhas.” Salmos 96:2-3.
  4. E podemos encerrar com o CONHECIMENTO TÉCNICO, a habilidade para exercer o ministério. 1Cr 15:22 – “Quenanias, chefe dos levitas músicos, tinha o encargo de dirigir o canto, porque era perito nisso.”; 1 Cr 25:7; “… juntamente com seus irmãos instruídos no canto do Senhor, todos eles mestres…”; “Todos os levitas peritos em instrumentos músicos…” 2 Cr 34:13; ou seja, não devemos abandonar jamais a busca do aperfeiçoamento do dom que Deus nos deu, pois, como foi dito acima, isso nos capacitará para servirmos melhor e uma vez que servimos a um Deus perfeito, soberano, devemos oferecer o nosso melhor a Ele. A boa música, boa musicalidade, também é uma arma para atrair a atenção daqueles que ainda não rederam suas vidas a Cristo, e utilizando os recursos fornecidos pelo Espírito Santo, iremos impactar as nações com uma mensagem cantada, levando salvação, cura e libertação.

Os músicos não apenas acompanham o coro ou a congregação, mas são partes do ministério profético da igreja (edificação, conforto, exortação). Salmo 22:3 Deus não habita apenas em nossa música mas através de nossa música libera uma palavra profética (2 Reis 3:15-16ª – “Ora, pois, trazei-me um tangedor. Quando o tangedor tocava, veio o poder de Deus sobre Eliseu. Este disse: Assim diz o Senhor.”). A música preparou o profeta a comunhão com Deus. Davi separou os músicos e estes eram considerados líderes que profetizavam através da música. Davi, juntamente com os chefes do serviço, separou para o ministério os filhos de Asafe (coletor), de Hemã (fiel) e de Jedutum (louvor), para profetizarem com harpas, alaúdes e címbalos. 1 Crônicas 25:1.

Quando um músico toca no Espírito, ele está ouvindo o que já está sendo tocado, em tempo suficiente para tocar a tempo, com a música que já está sendo tocada naquele tempo. Está é a chave para improvisação, é como o músico de jazz faz, e assim é como o músico sacerdote deveria fazer, assim é como o músico levita sacerdote fazia. Quando um espírito enchia um músico para tocar profeticamente seu instrumento, ele ouvia enquanto tocava e tocava enquanto ouvia, ele não pensava – ele estava completamente aberto, estava sensível enquanto era muito agraciado, e articulando as coisas do Espírito numa linguagem musical.

Markinhos D7
Ministério Impactando as Nações





O que é ser Levita?

20 10 2009

O que é ser Levita?

LEVITA Todos os sacerdotes do povo escolhido eram levitas, isto é, descendentes de Levi por Coate (segundo filho de Levi), e Arão. Mas Levi teve outros filhos, cujos descendentes ajudavam os sacerdotes, formavam a guarda do tabernáculo, e o transportavam de lugar para lugar (Nm 4.2,22,29). No tempo de Davi, toda a família achava-se dividida em três classes, cada uma das quais estava subdividida em vinte e quatro ordens. A primeira classe estava ao serviço dos sacerdotes – a segunda formava o coro dos cantores do templo – e a terceira constituía o corpo dos porteiros e guardas do templo (1 Cr 24,25,26). Para sustentar todos estes homens, tinham-lhes sido concedidas quarenta e oito cidades, com uma faixa de terra em volta de cada uma delas – e tinham, também, o dízimo de todos os produtos e gado do pais (Lv 27.30 – Nm 35.1 a 8 ) – desse dízimo cabia aos sacerdotes a décima parte. Além disso, todos os levitas participavam do dízimo dos produtos, que geralmente o povo tinha de empregar naquelas festas, para as quais eram eles convidados (Dt 14.22 a 27).

JUBAL – O Primeiro Musico – Gênesis 4:21 o chefe instrutor daqueles que tocavam instrumentos de sopro e cordas, seu nome significa uma corrente, fluir, brotar com pompa, carregar, conduzir. Um músico tem a habilidade de fazer brotar uma corrente – um fluir, vem do seu interior. Jubal estabelece o ministério da música, fluir que vem do Espírito, os Jubals de hoje podem ministrar canções proféticas.

  • O QUE É SER LEVITA? Ser levita é ser servo, estar disposto a cooperar com a obra do Senhor com os dons que Ele nos concedeu, sem interesses pessoais, trabalhar para o crescimento do reino, pois aos levitas não foram destinados terras ou bens, pois o Senhor foi a nossa única herança. Deus nos separou para o serviço de Sua casa (Números 18). Se vamos nos amadurecendo, vamos entendendo a seriedade de estamos no altar para cultuarmos ao Senhor.
  • COMO ATUA O LEVITA NA IGREJA? Somos substitutos dos primogênitos. De uma forma bem clara, quando nos colocamos diante da Igreja para servir com nossos dons, quando nos empreendemos na realização do culto ao Senhor, estamos substituindo uma família. Alguém que está no templo, mas que não está adorando ao Senhor, alguém muito necessitado, alguém oprimido ou bloqueado pelo inimigo. Enquanto servimos ao Senhor cantando ou tocando, estamos elevando a Ele um culto, e Ele recebe por nós e por mais alguém, uma grande responsabilidade. Precisamos estar com a vida diante do Senhor de forma limpa, transparente. (Números 3:12 a 45; 8: 16, 17, 18)

Se estivermos caminhando dentro da vontade do Senhor de crescimento para nós, vamos tomando mais responsabilidades com o Reino.

Não estamos em uma apresentação, um show, realizando nosso hobby, fazendo o que gostamos e sabemos. No louvor estamos em uma guerra espiritual intensa e esta guerra não se vence gritando muito ou declarando algumas frases de impacto. Esta guerra se vence com a vida 24 horas por dia no altar do senhor.

Markinhos D7
Ministério Impactando as Nações





Salmo 128

17 10 2009

Seguindo um pouco a história do Ministério, apresentamos a vocês a música, SALMO 128, gravada em 1996, numa demo, produzida por Markinhos D7, na tentativa de lançar Wolneia Elizabeth como cantora solo, antes da formação do Impactando as Nações.

Como dito na biografia, os irmãos Markinhos e Wolneia, vieram de uma família de missionários músicos. A família, desde os avós, forma um coral, cantando a quatro vozes.

A proposta da produção de Markinhos, foi aproveitar essa influência clássica, as quatro vozes, para o pop/rock, utilizando loops, efeitos e guitarras distorcidas, tocadas por Renato Laranjo (base e solo), à harmonia do quarteto, formado por Wolneia (soprano), Markinhos (tenor) e seus pais, Angelo (baixo) e Rosangela (contralto). Nada mais contextual do que uma família cantando o salmo da família!

Confira o resultado e deixe seu comentário!





Re-União

13 10 2009

Re-União

Depois de 2006 o Ministério deu uma pausa em suas atividades musicais. Alguns membros, como o Markinhos, foram estudar, outros integraram outros ministérios.

Agora, no final de 2009, surge a possibilidade de uma re-união da banda para ministrar alguns eventos específicos. Todos os ex-integrantes foram contactados. Já confirmaram presença:

  • Arlen Santos
  • Beto Batera (Betão)
  • Enézio Vieira
  • Marília Sabino
  • Markinhos D7
  • Rodrigo Costa (Chocolate)
  • Sônia Mota
  • Wolneia Elizabeth

Acompanhe aqui a evolução do processo e em breve divulgaremos as datas.





O que é adoração? O que é estilo?

30 09 2009

O que é adoração? O que é estilo?

Pensa-se que, viver em adoração é estar o tempo todo cantando, dançando ou tocando, até mesmo orando.
Bem, na verdade tudo isso faz parte, mas, é muito mais que se possa imaginar.

Adoração quer dizer: “reverência, veneração, amor excessivo…”
Estilo: “Maneira de viver, conduta…”

Baseado no sentido literal das palavras acima, o meu modo de viver, a minha conduta deve expressar reverência, amor excessivo pelo nosso Deus.

Há diversas formas de se expressar amor ao nosso Deus, vamos ver algumas delas:

  • Comportamento: O nosso testemunho tem um grande poder de influenciar pessoas, assim como o mal testemunho tem o poder de atrapalhar Rm 14:13 , 16:17. A Bíblia diz que os escândalos são inevitáveis, mas ai daqueles, através dos quais o escândalo vier Lc 17:1. Em Rm 12:2 diz que não devemos nos conformar com este mundo, mas a igreja tem sido influenciada pelo mesmo, não havendo diferença entre eles, mas se somos sal e nos tornamos insípidos, de nada estamos valendo Mt 5:13. As pessoas têm que ver em nós algo que as atraia para Deus, as palavras que saem da nossa boca devem ser para edificação, o que estamos colocando diante dos nosso olhos pode contaminar todo nosso corpo, o que estamos ouvindo fica em nosso subconsciente, tudo influencia, então é hora de parar e refletir.
  • Modo de vestir: Certa vez, ouvi dizer que não existe moda para cristãos. Bem, se formos analisar friamente é verdade. A “moda” é muito sensual, provocante, ensina-se que o nosso corpo é para ser mostrado, que cada detalhe deve ser valorizado, principalmente nas mulheres. Quando Rebeca viu Isaque e perguntou é ele o meu noivo, ela imediatamente se cobriu Gn 24:65. Interessante, se ela tinha que chamar a atenção dele, talvez diriam a ela, mostre-se para ele, ou seja, a reação foi contrária. Se fizermos uma pesquisa entre os homens, acredito que eles, na sua grande maioria vão dizer que não gostam de mulheres que expõem seus corpos, que andam se mostrando, antes preferem aquelas que se guardam somente para eles, da mesma forma eles também devem se cuidar com a questão de se vestir decentemente, então é hora de parar e refletir.
  • Vida espiritual: Quando dizemos que amamos alguém, pensamos: o que nos levou a amar? Ouve uma condição? Foi preciso fazer algo? Pense! Se esse amor for correspondido, bem, fica melhor ainda. Procuramos saber do que a pessoa mais gosta, nos falamos todos os dias, compramos presentes, e, é lógico, esperamos que haja um retorno, senão, um só doando, acaba se esgotando. Como podemos dizer que amamos a Deus, se não falamos com ele? 1 Jo 4:20 Não procuramos saber do que ele gosta? Não damos nada a ele? Sl 116:12 Para chegar na igreja, ou em eventos e verdadeiramente adorar a Deus é necessário uma vida de intimidade com o Senhor. Para conhecermos a Deus devemos ler a Palavra, temos que Ter momentos de intimidade, de separação, de oração, não para pedir, mas para o exaltar, ou seja, nos fecharmos no nosso quarto e nos prostrarmos e deixar que Ele fale conosco Os 6:3. Tudo o que foi colocado anteriormente, vai ser tratado e acontecerá a partir do momento que aprendermos a ouvir a voz de Deus.
  • Confissão de pecados: 1 Jo 1:9 Se dissermos que não temos pecados, chamamos Deus de mentiroso 1 Jo 1:10. A confissão é constante, mas temos que andar vigilantes Mt 26:41, porque não justifica pedir perdão a todo instante por pecados que são cometidos voluntariamente, ou seja, não se esforça para mudar, acaba virando um mania, errar e confessar Hb 10:26.
  • Arrependimento: Lc 13:3 A confissão de pecados deve ser seguida por arrependimento. Arrepender quer dizer mudar de atitude, voltar atrás, ou seja tem ser algo genuíno vindo de dentro para fora, então receberemos o perdão de Deus. Você pode dizer: “eu não tenho forças pra mudar”, tome uma decisão e deixe o Senhor trabalhar, porque o natural podemos fazer, o sobrenatural, o que não depende de nós, é Ele quem faz.
  • Obediência e submissão: A obediência quebra maldição. Quantas vezes ouvimos essa frase? Mas, quantas vezes a praticamos?
    Infelizmente, encontramos pessoas que acham que não devem satisfação a ninguém, são auto-suficientes, não consultam seus líderes para nada, agem como se não precisassem de conselhos e orientações.
    A partir do momento que entendemos a importância de uma palavra pastoral, a benção do pastor para agirmos, tudo fica diferente e vemos a mão de Deus de forma sobrenatural nas nossas vidas. E não é só ao pastor, mas veja bem, o único mandamento com promessa é Ex 20:12 “Honra teu pai e tua mãe, a fim de que se prolonguem os seus dias na terra”. Então, temos que honrar nossos líderes, obedecer e sermos submissos para que possamos ser bem sucedidos em tudo que fizermos. Sermos ligados e servir à nossa igreja local, pois é nela que recebemos alimento.
  • Orar sem cessar: Orar é falar com Deus. Se não oramos, obviamente, não falamos com Deus. Então, não temos a mínima condição para fazermos a obra. Pois muita oração muito poder, pouca oração pouco poder, nenhuma oração nenhum poder. Não existe uma ligação com o Senhor sem oração.
  • Dízimos e Oferta: Não devemos comparecer à presença de Deus de mãos vazias, portanto devemos todas as vezes que formos ao encontro do Senhor, Ter algo para ofertar a Ele, como gratidão por tanto que Ele faz por nós. Quanto aos dízimos é uma questão de obediência e temor a Deus. É inadmissível um cristão não ser dizimista. Está abrindo as portas para o devorador destruir a sua vida. Adorador que não é dizimista e ofertante……


Quem é você?

Observando esses itens vemos que grande parte das pessoas, estão se confundindo e até mesmo se iludindo, pensando que são adoradores e na verdade não são.
A Bíblia nos ensina que ao ofertarmos, devemos antes refletir sobre nossas vidas e, se tivermos algo contra nosso irmão, deixar a oferta, procurá-lo, pedir perdão para depois ofertarmos, porque senão a nossa oferta não será aceita Mt 5:24. E você, como tem ofertado ao Senhor? Será que Ele tem aceito sua oferta?
Outro exemplo importante, Nadabe e Abiú morreram pois pensaram estar enganando o nosso Deus que é onisciente. Ofereceram fogo estranho Lv 10:1. O grande problema é que muitos estão achando que nada vai acontecer com a irresponsabilidade com a qual estão tratando a obra de Deus. Em Jo 4:23 lemos que “Deus está a procura de verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade”, se Ele procura é porque não é fácil encontrar.
São coisas simples e básicas a serem observadas, mas que infelizmente, têm sido ignoradas, fazendo com que estudos sobre adoração, muitas vezes se tornem exaustivos e repetitivos. Mas a verdade é que não devemos deixar de falar.
E você? Quem é? Onde você se encaixa no que já foi falado? Sua vida tem um estilo de adoração? Pare e reflita!

O Altar

Muitos acham que a Igreja é boba. Como é isso? Bem, leva-se uma vida comum, sem maiores preocupações com buscar a Deus, ler a Palavra, orar, ações básicas para Deus nos usar como instrumentos dEle. Então, vem a hora de ministrar, cinco minutos de oração antes do culto se tornam básicos para o mover e o fluir de Deus acontecerem!!!!

No altar vamos simplesmente deixar fluir a unção e o poder que já buscamos diariamente. Deus, muitas vezes age por misericórdia e pelo povo que ali está reunido, não por causa dos “ministros” do altar. Isso é pra você se conformar ou para tomar uma atitude e se posicionar diante de Deus? Você é um sacerdote? Sacerdote que não tem intimidade com Deus é um incompetente! Ministra o que não sabe, o que não vive! Muito cuidado! Is 1:11-20

Enfim para que fomos chamados? Qual a nossa missão aqui? Is 61:1-6
Em tudo o que fizermos Deus deve ser glorificado, caso contrário, estamos trabalhando em vão ou em prol de nós mesmos. Não devemos nos esquecer que prestaremos conta de tudo o que fazemos. Cada ato, cada pensamento, tudo vai ser cobrado de cada um de nós. Portanto, muita cautela, temor e responsabilidade com o que fizermos.
Isso não é válido somente para quem está no altar, ou seja, pastores, líderes, ministros de louvor, de dança, teatro, mas todos nós.
O Grande Juiz chamará a cada um e pedirá contas Rm 14:12, 1 Pd 4:5, portanto, é hora de parar e refletir sobre cada um de nossos atos, sobre nossa vida e adorá-lo com tudo o que nós temos. Aleluia!!!!!



Wolneia Elizabeth
Líder do Ministério de Adoração & Missões
Impactando as Nações